sexta-feira, 26 de junho de 2009

PCH BRUCA - Corupá (SC) - Ambientalista vê problemas

CACHOEIRA DA BRUACA

Além dos problemas mencionados na matéria abaixo, o maior impacto é praticamente secarem três quilômetros do rio Bruacas ao desviarem suas águas para o ribeirão Correias. Vários animais ameaçados vivem neste trecho do rio, que passa por uma área preservadíssima de Mata Atlântica.


Ali vivem, por exemplo, animais ameaçados de extinção como lontra e a cuíca-da-agua.

Mas as maiores vítimas são os habitantes de Corupá. Eu tenho muita pena de quem mora em Corupá, especialmente as pessoas que residem próximo do rio Novo. Se uma das represas arrebentar, será uma tragédia de grandes proporções.

Corupá (SC), 12/11/2008 - Resultado do rompimento de uma das represas do rio Bruacas, na Cabeça do Tigre, conforme matéria do jornal A Noticia, 13/11/2008

Ambientalista vê problemas

Jornal A NOTICIA, 25/06/2009

Quem é contra a construção da pequena central hidrelétrica (PCH) no rio Bruaca diz que o novo projeto apresenta os mesmos impactos ambientais que o anterior. O ambientalista Germano Woehl, do Instituto Rã-Bugio, aponta problemas na construção.

“A PCH pode gerar 4 MW, mas apenas durante quatro meses por ano, e não 12 MW, pois o Bruaca não tem água para isso. No projeto original, foi alterada a área da bacia do Bruaca, que aumentou em cinco vezes o volume do rio. Confundiram a área da bacia do córrego rio Vermelho, afluente no Bruaca, com o rio Vermelho de São Bento. Não sei se corrigiram este erro no novo projeto”, diz Germano.

O ambientalista aponta que a construção da estrada cortará o corredor ecológico da serra do Mar, onde há animais em extinção.

Outro problema, diz Germano, seria a erosão no ribeirão Correia, para onde a água usada para gerar energia seria desviada.

Um comentário:

Mar disse...

é, seremos extintos, talvez em
massa.
O homem não poderia jamais alterar
o curso dos rios. Convenhamos que nunca jamais conheceremos obra mais magnífica que a natureza. Quem fez assim é porque funcionaria se ficasse assim. As alterações feitas pelo homem vai ter um preço lá na frente, e eles sabem disso, só que não querem pensar para poder lucrar.