domingo, 28 de junho de 2009

Reciclagem de Garrafas PET - 1001 UTILIDADES FALSAS PARA ALIVIAR NOSSA CONSCIÊNCIA

Todos os dias somos bombardeados por notícias de que alguém, finalmente, achou uma maneira de aliviarmos nossa consciência do consumo insustentável, com a descoberta de uma solução revolucionária do lixo que produzimos como a utilização de garrafas PET para aquecedores solares, dutos para água, boias etc.

A radiação ultravioleta (que é constituída por fótons de alta energia) solar interage com o material plástico e quebra a longa cadeia de carbono do polímero. Em outras palavras, quando exposto ao sol, o material fica todo quebradiço em poucas semanas, fragmentando-se em pequenos pedaços e contaminado o ambiente PARA SEMPRE, já que neste estado é difícil coletar os pedacinhos.

Nestas condições ou quando sujas as garrafas PET ficam inviáveis para a reciclagem. Na verdade, não é bem reciclagem porque o material plástico resultante não pode mais ser utilizado novamente para fabricar garrafas PET. É transformado em outro tipo de plástico. Por isso, é tão importante REDUZIR o consumo de PET (refrigerantes, água engarrafada...).

Causamos menos danos ao ambiente se depositarmos as garrafas limpinhas, logo após o consumo do conteúdo. Se sujar um pouco, já era! Vai tudo para o aterro sanitário ou jogado na beira de estradas, provocando contaminação eternamente. Estudos recentes revelam que as garrafas PET não são tão inertes como se pesava. Liberam substâncias nocivas à saúde e ao meio ambiente. Ver abaixo as referências.

Minha esposa e eu acabamos herdando um passivo ambiental deste tipo, deixado em uma área preservada que adquirimos, em Itaiópolis (SC), onde está sendo criada uma reserva particular, RPPN Corredeiras do Rio Itajaí .


RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, em Itaiópolis (SC)

O antigo proprietário usou centenas de garrafas PET, enchendo-as com areia, para fazer os canteiros de sua horta. Como nossa intenção é devolver a área ocupada pela residência para a natureza, isto é, deixar a Mata Atlântica engolir tudo, incluindo a casa de madeira da chácara, e tentamos remover as garrafas semi-enterradas.

Todas se esfacelaram!!! Em milhares de pequenos pedacinhos, que ficarão lá, para a posteridade. Só deu para retirar a parte onde não incidiu a luz solar, isto é, a parte enterrada, que estava toda suja, obviamente, e foi descartada no aterro.

Outro absurdo é usar estas garrafas PET em artesanato onde se agrega tintas, vernizes e solventes altamente nocivos à saúde humana, sendo que em pouco tempo tudo se degrada e acaba sendo descartado no aterro. Pior: incentivam isso nas escolas e chamam a atividade de “educação ambiental”, esquecendo de informar as crianças de que não faz muito tempo as garrafas eram de vidro e retornáveis e que em alguns lugares do planeta estas garrafas PET, bem como as latinhas de alumínio, são proibidas.



Garrafas PET liberam substâncias cancerígenas Hormônios Ambientais


Cito aqui três referências sobre os riscos à saúde e ao meio ambiente das garrafas PET. São dois artigos científicos e uma matéria uma matéria do jornal britânico Daily Mail sobre as pesquisas comprovando que as garrafas PET não são tão inertes como se pensava para servir de embalagens para alimentos ou outra utilidade.

Liberam compostos com atividade endócrina (CAEs), os chamados desreguladores endócrinos (endocrine disruptors) ou hormônios ambientais, que são substâncias com atividade hormonal.

Outro contaminante encontrado foi o elemento químico Antimônio, que tem potencial cancerígeno. O Antimônio contamina o material polímero PET nos processos de fabricação, foi uma das hipóteses levantadas.

Portanto, garrafas PET podem ser lixo tóxico perigoso e não deve ser reutilizada ou descartada no meio ambiente.




1. Fruit juice cancer warning as scientists find harmful chemical in 16 drinks

By Sophie Borland



2. Polyethylene Terephthalate May Yield Endocrine Disruptors

Leonard Sax



Montgomery Center for Research in Child and Adolescent Development, Exton, Pennsylvania, USA

http://ehp.niehs.nih.gov/0901253/



________________________________________

Environ Health Perspect 118:445-448 (2009). http://dx.doi.org/10.1289/ehp.0901253 [online 25 November 2009]

________________________________________

Abstract

Background: Recent reports suggest that endocrine disruptors may leach into the contents of bottles made from polyethylene terephthalate (PET). PET is the main ingredient in most clear plastic containers used for beverages and condiments worldwide and has previously been generally assumed not to be a source of endocrine disruptors.



Objective: I begin by considering evidence that bottles made from PET may leach various phthalates that have been putatively identified as endocrine disruptors. I also consider evidence that leaching of antimony from PET containers may lead to endocrine-disrupting effects.



Discussion: The contents of the PET bottle, and the temperature at which it is stored, both appear to influence the rate and magnitude of leaching. Endocrine disruptors other than phthalates, specifically antimony, may also contribute to the endocrine-disrupting effect of water from PET containers.



Conclusions: More research is needed in order to clarify the mechanisms whereby beverages and condiments in PET containers may be contaminated by endocrine-disrupting chemicals.



Key words: antimony, bottled water, endocrine disruptors, leaching, phthalates, polyethylene terephthalate


Address correspondence to L. Sax, Montgomery Center for Research in Child and Adolescent Development, 64 E Uwchlan Ave., #259, Exton, PA 19341 USA. Telephone: (610) 296-2821. Fax: (610) 993-3931. E-mail: MCRCAD@verizon.net

The author declares he has no competing financial interests.

Received 25 July 2009; accepted 25 November 2009; online 25 November 2009.




3. Elevated antimony concentrations in commercial juices.

Claus Hansen et al. (2010). Journal of Environmental Monitoring 12 (4): 822–4

pode ser baixado (PDF) neste link
 

Um comentário:

Mar disse...

Germano, como vimos na mídia essa
semana, nem os ingleses aprender a reciclar de forma limpa. E pior, exportam o reciclado "sujo" que no caso deixa de ser reciclado para se tornar lixo.
Meu 1.mandamento em casa é RECICLAGEM LIMPA sempre. Plasticos, garrafas, embalagens, TUDO pode ser lavado junto com a louça normal, e os plásticos pendurados no varal para secar como qq outro pano. Fazendo isso teremos um lixo menos fedido e um reciclado até.. perfumado. Ah.. boicoto as garrafas PET, nunca compro, foi mais um inconveniente criado com as piores das intenções.